Zootecnista com atuação em frigorífico: garantia de procedência e qualidade dos cortes

    Na rotina de trabalho de um frigorífico, diversas funções estão ligadas ao zootecnista, profissional necessário e com papel fundamental, que atua garantindo a procedência para os mais variados tipos de corte de carnes.
 
    Prova disso é o trabalho desenvolvido pelo zootecnista Diego Daniel Tiecher, associado da Unitec, que presta serviços no Frigorífico Schlosser, de Horizontina, desde novembro de 2020. Lá, o profissional vem atuando em várias ações, com destaque para a classificação de carcaças de bovinos, suínos e ovinos e tipificação de bovinos.

    O Frigorífico Schlosser trabalha com seis linhas de produtos: cortes bovinos para parrilha, cortes bovinos para churrasco, cortes bovinos para o dia a dia, cortes ovinos para assados, cortes gourmet suínos, e embutidos e miúdos.

    “Toda carcaça que entra, após o abate, é classificada e tipificada. Avalio dentição, gordura e peso delas. Após isso, já vou direcionando-as para as marcas”, explica.

    O profissional, que já possuía experiência no trabalho em frigorífico, afirma que, dentro das avaliações das carcaças, está a medição do pH da carcaça do animal. “O pH da carne é um importante parâmetro de qualidade, pois pode influenciar a cor, a capacidade de retenção de água e a maciez, dentre outros fatores. Além disso, pode detectar anomalias durante o abate. Então, realizo amostragens de avaliação de pH da carne, que deve ter parâmetros de 6,0 a 5,4. Outras informações importantes que nos permitem avaliar a qualidade é a idade do animal; quanto mais novo, a tendência é de a carne ser mais macia. Carcaça com pH alterado apresenta carne mais dura e de menor período de validade.”

    A alimentação do animal também faz diferença na qualidade e sabor da carne. “Os animais destinados para desossa são de produtores parceiros. Então, existe conhecimento sobre o cuidado. Para o abate de carne suína, bovina e de cordeiro, o frigorífico compra de produtores da região, sendo que os mais distantes são da região central do Estado, específico para alguns cortes de carne de maior valor agregado”, afirma.

    Diego acrescenta que, desde que começou a atuar na empresa, também foi aprimorando a padronização de processos, buscando maior qualidade, além de auxiliar na organização e direcionamento. Ele também atua na precificação, processo que ocorre semanalmente, com formação de preço de venda dos produtos, tanto de carcaça como do produto embalado.

    Conforme o zootecnista, a busca pela excelência nos serviços prestados é constante, pois o objetivo é manter o alto padrão de qualidade em todas as fases do processo, satisfazendo as exigências do cliente e consumidor. “A qualidade dos produtos do frigorífico vem do cuidado e seleção dos animais, que inclui manejo, processos de produção e transporte. Ou seja, é mantido o alto padrão de qualidade em todas as fases do processo”, destaca.

    Com atuação em tempo integral no Frigorífico Schlosser, Diego também se dedica ao estudo de estratégias e desenvolvimento de produtos, bem como formas de venda diferenciadas. “Estamos focando na venda de cortes embalados, que fidelizam clientes pelo padrão oferecido e que oferecem uma experiência diferenciada e prática ao consumidor. Também queremos ampliar mercados e entrar em novas regiões. Sempre levando em conta um quesito importante, que é a inovação, entregando produtos com qualidade e eficiência. Tudo isso é resultado do trabalho em equipe”, finaliza Diego.

    Fonte: Assessoria de comunicação Unitec | Jaqueline Peripolli / Jornalista MTE 16.999