“Transformei minha história com o artesanato”, destaca associada da Unitec

Artesã Carmen Cardozo é instrutora de cursos de artesanato com material reciclável

 

O artesanato tem o poder de transformar sonhos em arte. A atividade, uma fonte de renda, gera oportunidades e muda histórias de vida. E é assim que a artesã Carmen Cardozo define a ocupação em sua vida.

Natural de Tenente Portela, ela trabalhou na agricultura até os 17 anos. Depois, quando foi morar na cidade, casou e teve os filhos, trabalhava em um supermercado. Contudo, Carmen conta que queria cuidar dos filhos e ao mesmo tempo ter um trabalho que lhe oferecesse uma renda. “Foi quando tive a ideia de trabalhar com artesanato, pois assim poderia cuidar dos filhos e trabalhar. Comecei com o jornal; em duas horas eu produzia uma peça, e assim fui criando e comercializando. Foi então que percebi que artesanato me proporcionava uma renda interessante, ainda mais cuidando do meio ambiente, já que eu utilizava jornais e garrafas pet”, conta.

A artesã diz que construiu sua casa fazendo e comercializando artesanato. “Eu participava de feiras, vendia em mercados e em lojas dos municípios próximos onde eu morava. Com isso, fui ficando conhecida e tendo meu trabalho reconhecido. Tanto que o Senac me propôs ministrar cursos de artesanato. Fui para Santa Maria onde fiz o curso específico de Artes Plásticas. Então também iniciei os cursos via Sebrae e Senar-RS, há 14 anos”, recorda.

Atualmente, Carmen reside em Ijuí e ministra cursos de material reciclável. Ela revela que tem viajado em busca de novas técnicas para seus trabalhos. “Sei produzir mais de 500 peças com jornal, por exemplo. No mês passado estive na Colômbia, e lá eles utilizam bastante o jornal no artesanato, o que me surpreendeu. Com reciclagem, podemos fazer diversos trabalhos.” Ela acrescenta que o Senar-RS liberou para trabalhar com madeira nos cursos de material reciclável, o que aumenta o leque de peças que podem ser produzidas. “Podemos fazer sofá e vassoura com garrafas pet e itens com caixa de leite. Com criatividade e técnica, podemos produzir inúmeras peças.”

Carmen, que é associada da Unitec também há 14 anos, revela, orgulhosa, que já conquistou o prêmio de melhor instrutora do Senar-RS do Estado. Dedicada, pontual e criativa, a artesã se diz apaixonada pela profissão que escolheu. “Transformei minha história com o artesanato. Com materiais baratos e algumas ferramentas de trabalho, aliados a técnicas simples, basta soltar a imaginação e criar. O artesanato é uma atividade rentável. E com dedicação ele permite gerar sua própria fonte de renda”, destaca.

Nos cursos em que ministra, a instrutora diz que combina com a entidade parceira sobre os materiais disponíveis e que peças desejam produzir. Na última semana, Carmen esteve ministrando curso na Apae de Três de Maio, com uma turma de alunos. Foram desenvolvidas peças a partir de jornal e garrafas pet. Ela, que cursou uma capacitação em Porto Alegre, na Apoena, voltada para atender ao público com deficiências, diz que aprende muito quando ministra cursos em Apaes. “Eu adoro a sinceridade dos alunos. Eles aprendem e gostam de participar. Para mim, todos são iguais, e esta capacitação que fiz me proporcionou saber trabalhar com este público especial”, finaliza Carmen.

 

Texto e foto: Assessoria de comunicação Unitec

Jaqueline Peripolli / Jornalista MTE 16.999