Mulheres em Campo forma turma em Horizontina

Grupo de dez participantes finalizou as atividades com a instrutora Izabel Cenedese

 

Transformar a participação feminina em fator decisivo para o sucesso da empresa rural. Com esta proposta, dez mulheres de Horizontina despertaram o interesse pela gestão no campo e ampliaram seu protagonismo na administração da propriedade. Estes, que são os objetivos principais do Programa Mulheres em Campo, no Senar-RS, foram alcançados com êxito pelo grupo que finalizou a capacitação no último mês com a instrutora Izabel Cristina Cenedese.

 

Izabel, que é associada e diretora 1ª secretária da Unitec, explica que o programa conta com um conteúdo direcionado ao fortalecimento da mulher no campo, estruturado em cinco encontros, abordando os temas de diagnóstico da propriedade rural e características empreendedoras, planejamento, custos de produção, indicadores de viabilidade e comercialização e desenvolvimento pessoal. 

 

Os encontros do programa, realizados uma vez por mês, ocorreram na sala do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Horizontina e Doutor Maurício Cardoso, em parceria com o Sindicato Rural de Três de Maio e a Emater/RS-Ascar local.

 

Uma pesquisa divulgada recentemente pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), sobre a participação feminina no meio rural, mostrou que a principal preocupação das mulheres que atuam no campo é a estabilidade financeira, e por isso um dos principais interesses quanto ao seu aprimoramento profissional e pessoal é o tema gestão, justamente um dos focos do Mulheres em Campo.

 

Avaliação positiva do grupo

As participantes, agricultoras do interior de Horizontina, estavam realizadas no dia do encerramento do curso. Para a agricultora Elaine Christmann, moradora de Esquina Tunas, que, junto com a família trabalha com a Granja Nova Esperança, de produção de ovos, avalia o curso como "valioso". Ela conta que ainda não havia participado de uma capacitação semelhante a esta. "Para mim, todos módulos foram muito importantes. Cada aprendizado serviu para colocarmos em prática na propriedade."

 

Veridiana Winkelmann, de Mambuca Baixa, também disse que gostou muito do Programa Mulheres em Campo. "Na nossa propriedade, trabalhamos com produção de leite e grãos, terneiros para engorda e abelhas. E com o curso pude ver que temos autonomia para tomar as decisões no nosso negócio e juntos decidir o melhor para a propriedade. É muito válido este envolvimento da mulher nos negócios da propriedade."

 

Rosimeri Matter, de Lageado Seco, afirmou que já havia feito curso de capacitação do Senar-RS anteriormente, e que o programa veio para somar aos conhecimentos já adquiridos e vivenciados. Na propriedade da família, o leite é uma das atividades. "Com este curso, me sinto outra pessoa; isso me entusiasmou. Nossa propriedade também conta com o atendimento de um técnico de ATeG, outro programa do Senar-RS. São incentivos como esses que nos capacitam para melhorar cada vez mais."

 

Darli Kolmann, também da localidade de Lageado Seco, é outra participante que já havia realizado outros cursos do Senar-RS e conta hoje com o atendimento de um técnico de ATeG na área do leite na propriedade. "O programa foi muito bom. Isso empodera mais a mulher nas decisões", destacou. Darli também é vice-tesoureira do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Horizontina e Doutor Maurício Cardoso e coordenadora da comissão de mulheres da entidade. "Faz dez anos que estou envolvida aqui. A gente sempre aprende. Eu sabia o que e como fazer, mas precisava que alguém me dissesse. Mas hoje eu já consigo decidir."

 

E Elaide Herpich, de Lageado Poca, conta que gostou de todos os conteúdos do Mulheres em Campo, mas destacou quando a instrutora Izabel trabalhou sobre a autoestima da mulher com o grupo. "Além de aprender, fiz amizades. Isso é muito bom."

 

 

Texto e fotos: Assessoria de comunicação Unitec

Jaqueline Peripolli | Jornalista MTE 16.999